terça-feira, 8 de setembro de 2009

O negão não Agüentou e Peidou

Sou um cara discreto,39 anos,75kg, corpo normal, olhos verdes.
Trabalho prestando serviço em uma grande empresa.
O passo a relatar pra vocês aconteceu comigo no inicio de 2007,eu era quase noivo na época e tive uma puta discussão com a minha noiva e acabei saindo de casa, nessa época já morávamos juntos, para espairecer um pouco.Nisso que entro num bar dou de cara com um amigo de trabalho .
Há muito tempo atrás trabalhávamos juntos na mesma empresa,mas depois perdemos o contato e por um golpe de sorte o destino nos aproximou mais uma vez.Ficamos bebendo e jogando conversa fora,foi aí que ele me revelou que estava separado da mulher fazia um mês e que estava morando em um quitinete no centro de São Paulo. Eu também acabei me abrindo pra ele,dizendo que acabara de ter uma briga feia com a mulher e que certamente o nosso relacionamento teria acabado ali.Ele me convidou pra dormir na sua casa e prontamente aceitei.Demos continuidade ao nosso papo,bebericando cerveja e petiscos.Em dado momento da conversa senti que ele me olhava de modo estranho,que me deixava com um certo tesão.
Falei a ele que estava com sono e que queria descasar a carcaça.Ele falou que só tinha uma cama de casal e se eu não me incomodava de dividir com ele.Eu falei que não.
Esse meu amigo é um cara muito tesudo,um mulato de 39 anos também, corpo bem desenhado pela malhação,um cara que deixa qualquer um babando,seja homem ou mulher.
Ele falou que gostava de dormir pelado e que era pra mim ficar á vontade se quisesse. Fiquei só de cueca. Como ele gostava de dormir e estava pra lá de Bagdá relaxou literalmente.
Já eram altas horas da noite, eu não conseguia dormir, quando comecei a alisar e a acariciar a bunda do Paulão com a minha mão boba, não sei se ele fingia que estava dormindo, mas resolvi mexer pra ver se ele reagiria com a brincadeira gostosa que eu fazia. Como não houve nenhuma mudança, e como eu estava convicto de que ele dormia num sono profundo, até roncava, me tranqüilizei e continuei explorando aquela bunda monumental. Como um puto fiz um cunete de um jeito que até hoje eu nunca havia feito em ninguém antes, eu chupei aquele cu tão delicioso com tanto tesão e desejo que fui á loucura e quase gozei só pelo fato de estar chupando e sentindo aquele cu que eu tanto desejei em minha boca.
Era delicioso demais sentir minha língua roçando deslizando em suas pregas macias, hum, que delicia, que sabor delicioso, me assustei quando se mexeu e se virou pouco, pensei que ele tivesse acordado, por outro lado facilitou o meu trabalho, eu estava adorando e curtindo muito aquele rabo com a língua. Depois tanto lambê-lo, eu passei um gel meio gelado em seu cu, e em seguida enfiei-lhe um dedo no cu, senti as pregas piscarem. Seu cu era totalmente apertado e cabaço mesmo. Eu estava me preparando pra enfiar o cacete no cu do Paulão.
Foi aí que ele acordou e eu fiquei completamente sem ação. Ele falou:

_Relaxa cara, eu vi tudo que você fez e achei muito bom, que tal você repetir tudo isso, agora com o meu consentimento

Eu me declarei pro Paulão dizendo:

_Cara eu sempre morri de tesão por você e que comer seu cu era o meu sonho de consumo.

Quando Paulão viu a minha pica, ele quase não acreditou, pois era grande(18cm) , e pelo fato de eu ser bem mais baixo que ele, pensou era bem pequeno, e disse:

_Cara, não sei como alguém aguentava isso no cu. E não sei se vou aguentar essa pica em meu cuzinho virgem.
Falei pro Paulão:

_Paulão, pode confiar em mim, vou meter com cuidado e se doer eu tiro.

Daí ele passou a me chupar meio desajeitado e em pouco tempo ele já chupava feito um puto safado e pedia:

_Vem seu puto safado vem meter gostoso no meu rabo e mesmo doa eu vou tentar aguentar o máximo.

Eu lubrifiquei bem a vara e comecei a foder o delicioso cu do Paulão com os meus dedos que para ele até pareciam cacete também. Seu rabo foi laceando um pouco. Passei mais lubrificante deixando o seu buraco virgem que estava prestes a ser arrombado por mim, bem lubrificado. Mandou-me deitar de costas pra ele poder sentar no meu pau e ter o controle de tudo. Paulão veio devagar com o cu bem aberto e sentou-se sobre a minha rola, com o peso do seu próprio corpo, a cabeça foi forçando e abrindo o seu buraco fazendo-o gemer de dor.
Quando adentrei em seu rabo a sensação que eu tinha era que meu pau estava em brasa de tão quente que era o rabo dele.

_Porra Giba, caralho, como arde, você está me rasgando, me partindo ao meio.

Saía até lágrimas dos seus olhos de tanta dor que dizia sentir. Quanto mais a minha pica rasgava seu cu, mais dor ele sentia, mesmo assim não desistiu. Ele dizia:

_Cara to vendo estrelas de tanta dor.

Tentou deixar as pregas bem relaxadas, o meu pau é meio grosso que mal dava pra ele piscar o cu até então virgem. Depois de alguns minutos, eu senti a sua bunda encostar-se a meu púbis. Era incrível, mas eu estava com minha rola totalmente atolada no rabo do Paulão. Eu queria come-lo de frango assado, ele girou como um carrossel em meu pau e ficou na posição desejada sem tirar a rola do cu. Comi Paulão gostoso de frango assado, de ladinho e sentado de frente pra mim. Quando ele resolveu tirar o meu tarugo do seu cu pra eu comê-lo de quatro, ele soltou um peido bem barulhento que me deixou meio constrangido.
Eu posicionei-o do jeito que queria e comecei a bombear no seu cu. Acho que a dor que ele sentia era tanta que continuou fazendo muito barulho pelo cu. Pediu-me para parar senão ele ia acabar cagando no meu pau. Só que como um bom filho da puta que sou, continuei socando sem parar, aí meu amigo não deu outra. Ele não conseguiu seu controlar e cagou e fez isso sem a menor cerimônia.
Ele pediu-me pra gozar porque seu cu já estava arrombado de tanto levar rola e ardendo pra caramba.
Eu gozei em bicas e a minha pica saiu do cu do Paulão totalmente suja de bosta e porra. Só ai que eu me lembrei que estava sem camisinha. Ele gozou nesse dia sem tocar no pau, e disse que foi a melhor gozada que ele já teve.
Paulão foi para o banheiro terminar o serviço e cagou merda grossa que acabou de arrombar o seu pobre cuzinho. Ele deveria estar todo arrebentado por dentro, pois dizia que seu ânus sangrava e doía muito.
Paulão voltou pra cama e tentou relaxar um pouco. Eu fui ver o estrago que havia feito em seu rabo. Suas pregas estavam
arregaçadas, inchadas e vermelhas, mesmo assim eu não vacilei e comecei a chupar o seu cu o que o deixou louco de tesão outra vez.
Só de eu abrir o seu cu pra chupar já era motivo pra ele gemer de dor e numa dessas vezes em que eu abri seu cu pra chupar sem querer ele soltou um peido na minha cara.Também depois de levar uma rola esfomeada como a minha no rabo é mais do que natural ele estar com as pregas frouxas. Eu adorei e lhe pedi pra peidar de novo na minha cara.
O pior é que ele não fazia força pra peidar, já vinha naturalmente, graças a minha piroca que lhe deixou com o cu despregado.
Depois desse dia passei a enrabar Paulão todos os dias, tanto é que estamos juntos até hoje.


gibativo@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário